OUVIDORIA: 0800 648 1143

Produção industrial conta com pórtico utilizado na obra da Ponte Rio-Niterói

No processo de produção de peças pré-fabricadas para a nova Ponte do Guaíba, dezenas de estacas e vigas de concreto são movimentadas em um pátio, diariamente. Equipamentos de grande porte ajudam a formar uma linha de montagem e estão à disposição de engenheiros e demais profissionais nas equipes do Canteiro Industrial 1 localizado ao lado da ponte estaiada da BR-448 sobre o Rio Gravataí.

Quem trafega pela Rodovia em direção à Capital, pode perceber logo ao acessar a ponte estaiada, um pórtico metálico de 21 metros. O equipamento transporta até 150  toneladas e trabalha posicionado para andar sobre trilhos com a função de içar e movimentar aduelas de até 100 toneladas de concreto e aço. As peças serão lançadas posteriormente por treliças sobre os pilares para a estrutura que compõe a ponte.

De acordo com o gerente de equipamentos da obra, engenheiro Adolfo Griep, o pórtico da marca Munck foi importado da Noruega em 1969 para a movimentação de aduelas na construção de uma das maiores pontes do mundo, a Ponte Rio Niterói. Adquirido pela Construtora Queiroz Galvão em 1990, o pórtico foi utilizado em importantes obras como a ponte sobre a represa Billings, na Região Metropolitana de São Paulo, trecho sul do Rodoanel Mário Covas, inaugurado em 2010. “Para o processo de construção da nova ponte do Guaíba, o pórtico foi totalmente reformado e é destaque nos equipamentos de movimentação de cargas. Deve entrar em operação a partir de agosto e será vital para o apoio na produção de aduelas”, explicou Griep. As aduelas, fabricadas em dois canteiros do Consórcio Ponte do Guaíba, irão compor o vão principal da ponte sobre os canais de navegação.

Logística

Os canteiros possuem além da estrutura para a fabricação das peças, como berços e rampa de concretagem, guindastes e outros pórticos metálicos menores montados sobre trilhos para movimentação das peças e apoio logístico.

As peças pré-moldadas têm pesos diferentes, variando de 2,6 (guarda-rodas) a 100 toneladas (aduelas), e para facilitar o transporte delas até o local da obra, o Consórcio Ponte do Guaíba optou por trabalhar com dois modais. Serão utilizadas carretas pranchas e Dollys para o transporte terrestre. Já para atender a demanda fluvial, foram construídos dois diques para embarque em balsas.